Arquivos mensais: dezembro 2007

pra começar 2008 com o pé direito

salamalandro :: novos ares

sob o signo de proteu, o salamalandro se lança em mais uma mudança.

para começar 2008 de sola e com a bola toda, eu invoco os orixás para sentar comigo nessa linda noite de dezembro e tomarmos um saboroso chá, combinação das melhores ervas das melhores árvores e dos melhores pés.

e é com esse axé que eu, agora, convido vocês meus queridos e inumeráveis leitores para folhearem as páginas novinhas em folha deste site. que agora, o salamalandro aparece de blogue na página principal, mas tem recursos de site.

divirtam-se baixando a poesia que deixo à disposição nas páginas novas aí no alto:

na seção poesia, vocês encontram um pouco do que já publiquei em livro e, em breve, prévias de projetos novos. tudo explicado, exemplificado e ofertado em formato pdf ou jpg.

em tradução encontra-se disponível algum comentário sobre as traduções já reunidas em livro. mas não só isso. fique atento para as beiradas, onde você encontará de vez em quando algum trabalho novo, pipocado numa revista ou num jornal.

sempre achei que um poeta deve procurar os meios de sobreviver daquilo que produz. é o direito de ser poeta. só que há uma grande ilusão da parte dos esperam viver de direitos autorais. poesia não é literatura, para desespero dos letrados. portanto, aquele que quer conquistar esse direito, precisa achar as saídas possíveis. a tradução é uma delas. as artes gráficas podem ajudar. lenise achou a solução numa empresa de publicidade. eu vejo grandes possibilidades no campo das oficinas.

tenho flertado com essa área de algumas formas: trabalhei numa ong de belo horizonte, a memória gráfica, dei assessoria pedagógica para uma excelente professora, a patrícia mc quade, que desenvolvia um projeto com literatura de cordel junto aos seus alunos, apresentei uma conferência sobre a poesia e sobre juan gelman numa faculdade de congonhas. um pouco disso, será relatado em breve no setor das oficinas. é lá também que disponibilizarei infomações sobre os projetos educacionais com os quais eu quero cada vez mais me envolver.

e aos poucos irei colocando novas novidades por aí.

por enquanto a casa ainda está em fase de arrumação, mas já dá para todo mundo entrar e ficar à vontade. laroiê!

heriberto yépez

repassando a revista coyote nº1, lançada no outono 2002, me deparei com poemas e declarações chocantes de um sujeito pouco mais velho que eu chamado heriberto yepez. ando procurando em vão os livros dele. segundo ademir assunção, que o traduziu e entrevistou, a descoberta da poesia se fez pelo faro.

Conheci a poesia do mexicano Heriberto Yépez por acaso. Certa tarde chegou no meu endereço postal uma filipeta eletrônica de uma editora anarquista mexicana (Anortecer), divulgando um livro cujo título me intrigou no ato: Por una Poética Antes Del Paleolítico y Después de la Propaganda. Mandei uma mensagem de volta, propondo um escambo: eu mandaria meu livro Zona Branca e eles me mandariam o livro de Yépez. Meu faro não me decepcionou. Resolvi traduzir alguns dos poemas, irônicos, críticos, ultracontemporâneos.

trata-se de um cara ativo, que vive em tijuana (fronteira entre o méxico e os estados unidos) ou seja, um lugar de tensão, pois é para lá que vão os chicanos pretendentes a atravessar na marra o muro gigantesco que separa um país do outro. e a poesia dele: um soco no estômago. para você ter uma idéia, vou pegar emprestado uma das traduções feitas pelo ademir lá no blogue dele (quem quiser mais, procure pelo espelunca no link ao lado).

VIOLENTAM UMA GAROTA
com uma vassoura
e a deixam sem roupa e sem pele
para untar-se com o creme ponds
que acabara de comprar no
supermercado do Estado
arrombada
em um beco que já viu de tudo
menos isso
uma mulher pelada
ou melhor
esfolada
violentada até pelos olhos
com as unhas arrebentadas
como janelas de um trailler
capotado na freeway
o beco já viu de tudo
menos isso
o que resta de uma mulher
com os lábios negros
todavia pensando
aonde terá caído
o batom
que há pouco
comprara
no Barateiro*

NOTA: Issstetiendas, no original, é um supermercado estatal, com preços populares. Preferi adaptá-lo para o Brasil, fazendo referência ao supermercado Barateiro, embora este não seja estatal.
yépez também tem o seu próprio blogue, e há algum tempo me tornei um freqüentador assíduo.

www.hyepez.blogspot.com

comentário sobre o comentário abaixo (retificando informações)

revendo as informações sobre o “prêmio governo minas gerais de literatura”, vi que os R$35.000,00 que faltavam serão destinados ao “jovem escritor mineiro”. fiquei um pouco mais entusiasmado, pois a premiação para essa categoria dará ao ganhador o direito de receber R$7.000,00 por mês num período de 6 meses totalizando R$42.000,00.

peço aos meus queridos amigos escritores de plantão que não deixem de participar. embora seja apenas uma vaga, se vocês (vocês sabem aos quens me refiro), tenho certeza que o prêmio vai para um trabalho bacana.

prêmio governo de minas gerais de literatura

a moda parece estar pegando. e é saudável: finalmente, os órgãos que se pretendem incentivadores da produção literária perceberam que não adianta ficar fazendo concursinhos de colégio. é o caso do ambicioso “prêmio governo de minas gerais de literatura”, lançado no último dia 10. com este programa, o governo estadual institui o que ele mesmo proclama ser “o maior prêmio nacional de literatura”. com diretrizes bem definidas, serão premiados escritores nas áreas de poesia, ficção e jovem escritor mineiro, além da premiação para o conjunto da obra de um escritor já de renome no cenário nacional (o maior valor será para esta categoria).

os pontos negativos (não poderia deixar de haver) são, obviamente, a escassa quantidade de prêmios (um apenas para cada categoria) e a obscuridade já prenunciada no processo de seleção. repare: com tão poucas premiações, fica fácil imaginar que os poetas e escritores, já tão acostumados à política do “às próprias custas s. a.”, ficam bem desincentivados de participar.

Continue lendo prêmio governo de minas gerais de literatura

hino da vitória em certas circunstâncias

de madrugada em pleno esplendor
quem senão eu como cachaças destruindo suas vítimas amadas
para dar luz à indecisa claridade de suas mesas
quem senão eu com papeizinhos luxuosas descrições feitas para calar
ou a palavra mesa as mentiras
os metros de mentiras para vestir os cotovelos do embriagado
os alfaiates estão tristes porém se cose e canta
mente-se em quantidade irmãos meus fica bela a feiúra
amorosas as pústulas grande dignidade a infâmia
no pássaro no cantor no distraído cresceram répteis
com assombro contempla sua grande barbaridade
hurrah por fim ninguém é inocente
cavalheiros brindemos as virgens não virgam
os bispos não bispam os funcionários não funcionam
tudo o que apodrece em ternura dará
olho meu coração inchado de desgraças
tanto lugar como teria para as belas aventuras

juan gelman (tradução improvisada: leo gonçalves)

deu na folha de são paulo

Poeta argentino Juan Gelman ganhou o Prêmio Cervantes de 2007

sexta-feira, 29 de novembro de 2007

O escritor argentino Juan Gelman, ganhador do Prêmio Cervantes de Literatura 2007 entregue hoje, disse que está “muito emocionado e comovido”, mas não esperava sair vencedor, dada a “estatura e valor dos demais candidatos”.

Em declarações à agência Ansa feitas de sua casa na Cidade do México (onde está radicado desde 1976), Gelman se mostrou satisfeito em ter obtido o reconhecimento “por aquilo que significa [o prêmio] no contexto da literatura hispano-americana”.

“Me comoveu, eu não esperava. Depois que li a lista de candidatos, todos escritores de primeira linha, como Juan Goytisolo, Mario Benedetti, Blanca Varela, José Emilio Pacheco ou Juan Marcé, disse a mim mesmo: “é muito difícil”, contou o poeta argentino.

Para o autor de “Velorio del Solo” (1961) e “Gotán” (1962), ganhar um prêmio desta magnitude “é realmente um grande estímulo, sem dúvida, porque condensa um reconhecimento pelo que foi escrito”.

“O fato é que nenhum prêmio nem reconhecimento escreve por alguém, quem escreve é esse alguém. De qualquer jeito, o estímulo é muito grande”, afirmou.Ao ser consultado sobre a possibilidade de ser indicado, ou pelo menos aspirar, ao Prêmio Nobel de Literatura, o poeta afirmou que “a Suécia está muito longe do México e também da Argentina”. Gelman também falou de sua trágica experiência com a ditadura na Argentina, quando seqüestraram seu filho, Marcelo Ariel, e a esposa dele, María Claudia García (grávida na época), em agosto de 1976. Em outubro, Marcelo foi encontrado em um tambor de aço flutuando no Rio da Prata. Já de sua nora María Claudia, só foi devolvida a filha, nascida. Segundo Gelman, o acontecimento lhe permitiu “uma espécie de pacificação interior, para ver certas coisas”.

Firme opositor das ditaduras de Argentina e Uruguai, e de sua impunidade, Gelman foi obrigado a fugir da repressão desatada pelo regime argentino (1976-1983) e se exilar do país por 12 anos. “[México] é um país que conheço desde o ano de 1961, que foi a primeira vez que passei, e estive por aqui quando era a região mais transparente, de verdade”, lembrou.

A fala do poeta aponta ao título do romance de Carlos Fuentes, “La Región Más Transparente”, em referência ao céu da Cidade do México, onde dizia sentir-se em “em casa”. Juan Gelman também brincou ao afirmar que adora a “vitamina T”, como se denominam popularmente no México bebidas e comidas típicas: “tequila, tacos, tortas e tamales”, porque “é excelente, barata e abundante”.

O escritor recebeu, em 1997, o Prêmio Nacional de Poesia da Argentina e, em 2000, o Prêmio de Literatura Latino-americana e do Caribe Juan Rulfo, e possui livros traduzidos em mais de dez idiomas.

Ele garante que não foi convidado à Feira Internacional do Livro de Guadalajara, onde se reúnem vários escritores do mundo todo. Por outro lado, se mostrou entusiasmado por ter sido convocado a dar aulas na cátedra “Julio Cortázar”, nesta mesma cidade mexicana: “uma distinção que aprecio muito”, completou.

isso de juan gelman recirculando

estive em brasília há alguns dias. uma passagem muito proveitosa. dentre as muitas conversas que tive por lá, destaco um raríssimo encontro com o professor henryk siewierski, coordenador da coleção poetas da editora unb. ele me revelou a bela notícia da recirculação do livro “isso” que estava esgotado até a pouco. para comemorar, deixo aqui um comentário publicado no jornal rascunho à época do lançamento do livro de juan em 2004.

Irônico desespero

por Jefferson de Souza

Escrever para não esquecer, para que ninguém esqueça. Talvez esta seja uma das mais possíveis maneiras de exorcizar os fantasmas autoritários que roubaram vidas impunemente na América Latina há poucas décadas. Juan Gelman nasceu em Buenos Aires, em 1930, e cumpre na literatura latino-americana o importante papel de ser a memória insistente e persistente do período de trevas imposto pelas ditaduras. É um dos mais importantes poetas da atualidade e trabalha com maestria o realismo crítico. A história de vida deste filho de judeus ucranianos reflete a dureza da sua poesia. ele teve o filho e a nora, grávida, seqüestrados pelos militares em 1976. Os restos mortais de Marcelo (o filho) foram encontrados em 1989. A família do poeta ainda está à procura do corpo de Claudia, a nora, mas em 2000 esta luta ganhou um grande fôlego quando foi encontrada a neta que havia sido adotada por um militar uruguaio 23 anos antes. Juan Gelman ficou 12 anos no exílio, mas não foi este sofrimento que o levou à poesia e sim o amor. Ele começou a escrever aos nove anos, quando tentou conquistar uma vizinha de onze anos, mandando poemas de outros autores e foi ignorado. Sentiu que com os seus poemas, ela se entregaria ao amor… Não foi o que aconteceu, mas ele continuou escrevendo para o bem da grande “dama”: é assim que o autor se refere com doçura à poesia. O livro do qual falamos é Isso e integra a coleção Poetas do Mundo da editora UnB. Esta obra foi publicada pela primeira vez em reunião organizada pelo próprio autor. Na edição brasileira, aparece o belo trabalho dos tradutores Andityas Soares de Moura e Leonardo Gonçalves, que no poema “Ao redor do qual” optaram por não traduzir palavras começadas por alm-, uma colagem lúdico-vernácula que perderia o sentido na tradução.

“e a almona é lugar onde se pescam sábalos/
e almorta é uma planta de talo herbáceo e ramoso/
e a semente dessa planta é a almorta/”

O presente livro recupera a história poética de Gelman, que fala de amor e de outros conflitos da Alma. Afinal, de que é feita a arte senão dessas enfermidades? Mas não pensemos só em aridez e desespero, a voz de Gelman é também macia, sutil, irônica, triste, como no belo poema que abre o volume –

aniversário

respiraria/rua/onde agora
cai a tristeza?/enchove?
mamãe trouxe a tarde/
vou manchar as toalhas/com certeza/

e adoraria o pito
que vai me passar/suavíssima/
revolvendo minha alma
com a colher da sopa/

a última coisa que fez
antes de morrer
foi esticar um fiozinho
para me pôr ao sol

O livro, escrito em Paris entre 1983 e 1984, tem um caráter memorialista como toda a obra deste argentino e merece estar na biblioteca dos que admiram a força da poesia.

[matéria publicada no Jornal Rascunho, fev. 2005]