Arquivos mensais: Janeiro 2010

Notícias do Piva

Repito aqui as notícias blogadas hoje por Ademir Assunção.

PIVA CONTINUA NA ENFERMARIA

Roberto Piva continua internado na enfermaria do HC, com mais três doentes.

Gustavo, que mora com ele e é a pessoa mais próxima, está acompanhando de perto. Ele disse que Piva está tendo um bom atendimento médico. O poeta e amigo Antonio Fernando de Franceschi pagou uma consulta particular, com um bom médico, quando Piva passou mal, antes da internação. O mesmo médico está acompanhando seu quadro clínico. Gustavo disse também que a situação não é tão precária.

Mas está longe de ser boa. Piva terá que fazer uma cirurgia da próstata e provavelmente um cateterismo. A internação deve se prolongar por mais algumas semanas. Ele tem reclamado muito da comida, da televisão ligada até tarde no quarto e de rezas de evangélicos. O horário de visita é de apenas 2 horas e só podem entrar 2 pessoas.

*****

Gustavo disse que toda a atenção e solidariedade são bem-vindas. Piva vai precisar de grana quando sair do hospital. Quem quiser e puder ajudar, eis a conta dele:

Banco: Itau

Agência: 0036

Conta: 20592-0

CPF: 565.802.828/00

Roberto Piva: xamã sem pajé

Acho chato falar de um poeta sempre nos limites da fraqueza humana, no leito do hospital, no desespero e na urgência. Um poeta como Roberto Piva merece ser sempre comentado e lembrado em estado de exuberância, vivo flaneur de um lugar onde o cheiro incita o caminhar, mesmo que no horizonte seja possível avistar o céu preto da necrópole. Não é bom pensar num xamã com olhos piedosos, mesmo que ele esteja como todos nós, forrado das doenças ocidentais.

Mas estamos todos no mesmo barco e a urgência existe. E o poeta se encontra em dificuldades, sem grana e sem pajé. Tem 73 anos e de um tempo pra cá começou a sofrer de mal de Parkinson. No dia 20 foi internado no Hospital das Clínicas de São Paulo e enfrenta o seu inferno dantesco. Ademir Assunção escreveu sobre ele no dia 22 e, pelo que eu soube, as coisas continuam na mesma. Ana Peluso me disse que estão tentando sensibilizar o governo para conseguir um lugar melhor, mas não há resposta. Como bem falou o Ademir, “artistas não vivem de elogios”. Ninguém, na verdade, convenhamos.

Roberto Piva lançou sua poesia reunida recentemente pela editora Globo e desde então voltou a ser falado e comentado, lido, ouvido, cinegrafado. Para quem quiser ouvi-lo mais, é na TV Cronópios. Você também consegue lê-lo na Revista Agulha, na Zona Branca-Espelunca do Ademir Assunção, na Germina Literatura e no google, quer dizer, no mundo. Quero que ele continue assim: no mundo. Não apenas em bytes, mas carne e osso. Quem também quiser, proponho manter-se informado sobre o melhor jeito de ajudar. Mãos à obra.

um inédito

todo dia de manhã
eu beijo a minha própria boca
não é beijo no espelho não
é beijo na boca de verdade

todo dia de manhã
eu beijo a minha própria boca
não é narcisismo não
é beijo de língua

e você já beijou a sua própria boca?
não é beijo no espelho não
é beijo na boca

e você já beijou a sua própria boca?
não é narcisismo não
é beijo de língua

O negro, a flor e o rosário

foto: Michelle Campos

Está em cartaz no Teatro do Izabela Hendrix o espetáculo cênico-musical “O negro, a flor e o rosário”. Nele, são contadas poéticas histórias da presença do negro no Brasil, com uma África sempre mítica, uma poderosa mãe que proporciona a esperança aos que foram levados pra longe, que atravessaram o Calunga Grande (o mar). Personagens como Zumbi, Dandara, o Saci e muitos outros aparecem para rechear de beleza o imaginário referente ao negro no Brasil.

“O negro, a flor e o rosário” é uma criação de Maurício Tizumba e Vítor Alvim. Faz parte da programação da 36ª Campanha de Popularização do Teatro. No seu elenco: Benjamin Abras, Julia Dias, Elisa de Sena, Tásia D’Paula, Eneida Silva, Maíra Baldaia, Simone Meireles, Josi Lopes, Ana Luisa Moreira e Viviane Moreira.

O espetáculo está em cartaz de quinta a sábado (às 21h) e aos domingos (às 20h) até o dia 24 de janeiro.

Dibaxu/Debaixo, Juan Gelman

Acaba de sair pela editora da Universidade Federal do Ceará a primeira edição brasileira do livro Dibaxu/Debaixo de Juan Gelman, com tradução do meu amigo Andityas Soares de Moura. O livro faz parte da coleção Nossa Cultura e nasce graças ao apoio do poeta Floriano Martins.

Dibaxu é um trabalho singular. Escrito entre 1983 e 1985, traz uma coleção de 29 poemas amorosos. Uma curiosidade: Juan não os escreveu em espanhol, sua língua natural, mas na língua dos judeus da península ibérica, o sefardita. “Sou de origem judia, mas não sefardita, e suponho que isso teve a ver com o assunto”, comenta o poeta. Trata-se de um idioma antigo, que está nas próprias origens da língua espanhola. É, entre outras coisas, o idioma do Cantar de mio Cid, poema fundador do povo castelhano. Apesar de antigo, o sefardita não é uma língua morta. “O acesso a poemas como os de Clarisse Nikoïdski, novelista em francês e poeta em sefardita, desvelaram essa necessidade que em mim dormia”, revela o poeta, outra vez no “Escólio”, incluído na publicação. E arremata: “a sintaxe sefardita me devolveu um candor perdido e seus diminutivos, uma ternura de outros tempos que está viva e, por isso, cheia de consolo”. O livro brasileiro vem em versão trilíngüe (sefardita, português e espanhol), seguindo o caminho proposto pelo próprio poeta em sua publicação original (sefardita-espanhol).

Há poucos livros de Juan Gelman publicados no Brasil. O primeiro foi o trabalho de Eric Nepomuceno, a belíssima antologia Amor que serena, termina?, ao que se seguiu Isso, publicada pela UnB e traduzida por mim e pelo Andityas (ver capa ao lado). Pela editora Crisálida, o livro Com/posições, também tradução de Andityas. Como o tradutor bem lembra, Juan Gelman possui uma das características mais interessantes (a meu ver) para um poeta no mundo contemporâneo: a diversidade. Dono de variadas técnicas na criação poética, foi uma das mais poderosas vozes nos anos 70 e 80, período de resistência contra a ditadura militar argentina. Despaegado dos rótulos, o premiadíssimo Juan Gelman tem mostrado sempre novas e surpreendentes faces ao longo de seus mais de 30 livros. Segundo consta, seus poemas eram memorizados e recitados às escondidas para os presos políticos, circulavam como alimento para a revolta entre os ativistas de esquerda e davam uma nota de esperança aos que continuavam sonhando uma Argentina livre. O escritor Julio Cortázar achava que “Talvez o mais admirável [na poesia de Gelman] seja sua quase impensável ternura ali onde mais se justificaria o paroxismo do rechaço e da denúncia, sua invocação de tantas sombras por meio de uma voz que sossega e arrulha, uma permanente carícia de palavras sobre tumbas ignotas”. Seu poema “Gotán” (tango na gíria lunfardo), escrito nos anos 60, está entre os mais conhecidos poemas argentinos.

A escolha de Andityas Soares de Moura em traduzir justamente os poemas sefarditas se faz pela mais pura confluência. Admirável conhecedor da língua portuguesa e amante da diversidade, o poeta-tradutor publicou, em 2003, o livro OS enCANTOS, um livro único no Brasil, com versos escritos em português, galego, provençal, catalão, francês, italiano, latim. Uma desbabel neolatina, na qual se entrevê, como em Juan Gelman, uma busca apaixonada pelas raízes da língua. Como se buscar as raízes da língua fosse buscar as próprias raízes da poesia. Para completar a edição, o leitor de Dibaxu/Debaixo ganha um último presente: uma série de poemas de autoria do próprio Andityas nos quais ele assume ter-se deixado influenciar pela poética social de Juan Gelman.

Dibaxu/Debaixo foi uma das melhores coisas que recebi neste final de 2009. Tomara que chegue às livrarias do sudeste. Para quem quiser uma palhinha, aí vai:

XX.

não tens porta/chave/
não tens fechadura/
voas de dia/
voas de noite/

o amado cria o que se amará/
como tu/chave/
tremendo
na porta do tempo/

******

no tenis puarta/yave/
no tenis sirradura/
volas di nochi/
volas didia/

lu amadu cría lu qui si amará/
comu vos/yave/
timblandu
nila puarta dil tiempu

******

no tienes puerta/llave/
no tienes cerradura/
vuelas de noche/
vuelas de día/

lo amado crea lo que se amará/
como tú/llave/
temblando
en la puerta del tiempo/