Arquivos mensais: setembro 2012

Cep Vinte Mil: em caso de incêndio

Dia 27/9, quinta-feira: Cep Vinte Mil

No dia de Cosme & Damião, faço minha participação neste evento que existe há 22 anos sob o comando geral do Chacal. Será no Espaço Cultural Sérgio Porto (Rua Humaitá, 163) a partir das 20h30. Apresentarei a performance “Em caso de incêndio: queime lentamente” e dividirei a cena com o Renato Negrão.

Além de nós, participam também: Farani Cinco Três, Movimento Cidades (in)visíveis, Matilde Campilho, João Velho, Ana Chagas, Pedro Lage, Cláudio Baltar, Tavinho Paes, Diego Lemos – voz e violão, Ana Beatriz Ferreira Batista, Ismar Tirelli Neto, Gringo Carioca, Paulo Scott e José Henrique Calazans.

Logo mais, você encontrará notícias e informações no www.cepvintemil.wordpress.com

Palavras de acordar o corpo

Dia 25/9, terça-feira, a partir das 19h:

Diálogos com os autores: José Geraldo Neres – Leo Gonçalves e Lançamento dos livros “Olhos de Barro” e “Use o assento para flutuar” (Editora Patuá).

Nesse esperadíssimo encontro, eu e meu amigo Neres falaremos um pouco sobre nossos trabalhos num debate que terá a poeta Elaine Pauvolid como mediadora, e a participação de Luíz Horácio Rodrigues (escritor e critico literário) e Tanussi Cardoso (poeta e crítico literário).

Local: Centro Cultural Justiça Federal
Sala de Leitura, 2º andar.
Av. Rio Branco, 241 – Centro, Rio de Janeiro / RJ
25 de setembro de 2012, (horário: 19h às 21h)

Para mais informações,

Voo Paraty

Com algumas mudanças de planos, aqui vou eu para o lançamento em Paraty, que será amanhã a partir das 18h na Casa de Cultura, onde conversarei com o Ronaldo do Campinho e o Ovídio Poli Junior, falarei alguns dos poemas do livro. A noite terminará no bar Camoka Botequim Arte Café, próximo ao cais, um dos lugares mais bonitos em que já estive. Para abrir o evento, serei agraciado com uma roda de jongo.

Pàra quem estiver por lá, veja aí a programação completa:

18 horas: Roda de Jongo da Comunidade Quilombola do Campinho.

18:30 horas: Um bate-papo sobre cultura afro-brasileira com o autor e personalidades da cidade, tais como o líder da Comunidade Quilombola, Ronaldo do Campinho, o escritor Ovídio Poli, entre outros.

20:00 horas: Performance de Poemas com Leo Gonçaves

20:30: Coquetel de lançamento do livro “Use o assento para flutuar” no Camoka Botequim.

*
O evento é uma produção e organização de Luiza Faria, nossa querida produtora da Off Flip.

Em BH

O lançamento belorizontino de Use o assento para flutuar será amanhã, sábado, dia 15 de setembro, das 14h às 17h, na Casa Una (Rua Aimorés, 1451 – Lourdes). Será um dia de programação intensa. Convidei alguns poetamigos que ler, performar, vocalizar poemas meus e deles. A programação começa às 15h e terá:

VO(O – Coro de Vozes Comuns
Marcelo Sahea
Mariana Botelho
Benjamin Abras
Thais Guimarães
Renato Negrão
Michel Mingote
Bruno Brum

E eu mesmo.

Vejo vocês lá!

Introdução à poesia da negritude

 

pois não é verdade que a obra do homem está acabada
que não temos nada a fazer no mundo (…)
a obra do homem acaba de começar (…)
e nenhuma raça possui o monopólio da beleza,
da inteligência, da força

Aimé Césaire
Cahier d’un retour au pays natal

O curso tem como eixo central o movimento da Negritude, criado nos anos 1930 pelo poeta senegalês Léopold Sédar Senghor, o martinicano Aimé Césaire e o guianense Léon Gontram Damas, com fortes influências do surrealismo. Inicialmente circulando em torno ao jornal L’étudiant noir, seus principais idealizadores se propunham não apenas defender, mas também estudar e aprofundar os conhecimentos e as políticas em torno ao “conjunto de valores de civilização do povo negro”. Deste movimento, que teve profunda influência ao longo do século XX, não apenas no chamado “mundo negro”, surgem importantes expressões e desdobramentos, tais como as obras de Wole Soyinka, Édouard Glissant e o movimento da Créolité (Jean Bernabé, Raphaël Confiant e Patrick Chamoiseau).

Durante os dois encontros, faremos um panorama das principais teorias, questionamentos, discussões e ações deste movimento e seus desdobramentos que tiveram, curiosamente, pouca influência no Brasil (pelo menos até o presente), mas que têm sido essencial em discussões sobre globalização, colonialismo, poscolonialismo e estudos culturais em todo o mundo.

Ministrante: Leo Gonçalves

Período de realização e horário : dias 12 e 13 de setembro (quarta e quinta), das 19h às 22h.

Local: Casa Una

Vagas: 20