Arquivos mensais: dezembro 2012

Solte os demônios

No dia 15 de dezembro, próximo sábado, acontecerá em São Paulo a Iara e Amigos na Serralheria, das 15h a 1h. Será uma super festa, para soltar os demônios.

A programação inclui:

Sarau. O sarau “Solte seus demônios”, que abre a festa, é comandado por Vanderley Mendonça, editor do selo Demônio Negro, e Caroline Ramos, que também coordena o sarau No Parque. A cantora Rafaela Rabesco fará leituras, o poeta e flautista Gabriel Rath Kolyniak fará dupla com Vanderley Mendonça. No Sarau estarão: Adrienne Myrtes, Aleksandro Costa, Ana Rüsche, Caroline Ramos, Eduardo Lacerda, Gabriel Rath Kolyniak, Juliana Bernardo, Leo Gonçalves, Lia Testa, Luiz Roberto Guedes, Luiza Leite, Marcelo Ariel, Pedro Tostes, Polyana De Almeida Ramos, Rafaela Rabesco, Tatiana Podlubny, Vanderley Mendonça

Lançamentos e Relançamentos. Anotações Noturnas, de Tatiana Podlubny (vencedora do concurso) e Exinter, do trio Ana Gabriela Iasi Pilch, Michael P. Chalmer e Rosângela Machado Fernandes; Não contei o nome dos dias, do fotógrafo Francisco Costa Lima e Eu me livro, da artista visual e poeta Ana Estaregui. O coletivo Quinete, composto por Felipe Valério e Pedro Mattos, lançará o livro Encosto não se discute.

A Revista Córrego relançará todos os seus números e alguns amigos queridos relançarão seus livros na festa. São eles: Eis o Mundo de Fora de Adrienne Myrtes (Ateliê Editorial); Dedos não Brocham de Alessandra Safra (editora Dracon); Nós que adoramos um documentário de Ana Rüsche; Outro dia de Folia de Eduardo Lacerda (Editora Patuá); Sangue de mim de Polyana Almeida Ramos (Editora Patuá); A gente, que comemos corpos de Tania Pescarini e o livro de artista Pan ku do fotógrafo Bruno Sandini.

Exposições. Kátia Fiera, Ana Estaregui, Bruno Mendonça, Gina Dinucci, Guilherme Falcão, Fernanda Grigolin, Francisco Costa Lima, Coletivo Quitenete e Rafaela Jemmene.

Acervo Móvel. A plataforma artística sobrelivros irá levar títulos selecionados de seu Acervo Móvel de publicaçõe de artista s e múltiplos. As obras serão expostas, sob curadoria de Rafaela Jemmene e Bruno Mendonça.

Mostra de videoarte. Mostra “Do Papel ao Vídeo”, com curadoria de Bruno Mendonça. Entre os artistas da mostra estão: Felippe Moraes, Fernanda Figueiredo e Eduardo Mattos, Fernanda Grigolin, Katia Fiera, Leticia Rita, Patricia Francisco, Rafaela Jemmene, Raquel Stolf, Renato Pera e Paula Ordonhes.

Biblioteca de Poesia . Coordenada pelos editores Eduardo Lacerda (Editora Patuá), Fernanda Grigolin (Publicações Iara), Vanderley Mendonça (Demônio Negro) e a escritora e roteirista Luciana Miranda Penna, o princípio é criar um acervo de poesia, sem vínculos com instituição pública, de doações dos autores e editores, para promover a difusão da poesia contemporânea. A Biblioteca fará itinerâncias em diversos espaços e agregará novas pessoas para construir o projeto.

Dia 15/12 das 15h a 1h da manhã na Serralheria
Rua Guaicurus, 857 – Lapa
São Paulo

Saiba mais no www.publicacoesiara.com.br

Décio Pignatari (1927-2012)

Não é pela surpresa, como sugeriu Luiz Costa Lima em algum lugar, nem pela saudação gratuita de um morto ilustre, como sugeriram outros. Chorar a morte de um homem como Décio Pignatari é sinal de respeito. Respeito a uma vida dedicada à poesia e a sua potencialização em todos os campos possíveis. Respeito a um mais velho que fez o possível enquanto estava vivo.

Lembrado por todos por ser um dos fundadores do movimento Concretista nos anos 1950, Pignatari possuía uma veia satírica e sarcástica comparável a um Tristan Corbière ou a um Gregório de Mattos, para não falar de um de seus melhores discípulos, Sebastião Nunes. Em sua poesia visual, conseguia como poucos aquela textura de linguagem em que a crueldade e o humor tornam tudo mais ácido, instigante, inabarcável, sanguíneo.

Seu livro Poesia pois é poesia e poetc, que reúne poemas de toda a sua trajetória, sempre esteve entre meus livros de cabeceira. Tradutor de Mallarmé, mas também de Gregory Corso, sem falar em Dante, Bashô, Shakespeare, Sheridan, Ezra Pound. Ainda como tradutor, foi um dos introdutores da obra do comunicólogo Marshall McLuhan no Brasil. Semioticista, foi o pai de uma escola, e através dela transitava entre a literatura e a arquitetura com ágeis pés. Também escreveu contos e seu romance Panteros é considerado um marco na literatura brasileira.

Me lembro de vê-lo na Bienal Internacional de Poesia em Belo Horizonte, ao lado do curitibano Valêncio Xavier. Em uma conversa memorável, ele dizia que pretendia escrever (terá escrito?) um livro intitulado Prosa pura, onde defendia as especificidades da prosa em detrimento da poesia. Citava como exemplos livros como Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust e Os sertões de Euclides da Cunha. Naquele 1998, achava que a poesia brasileira gozava de boa saúde, já que não havia nenhuma possibilidade de fazer com que ela se tornasse um produto rentável no mercado, o que não acontecia com a prosa, sempre comprometida em conseguir os melhores lugares na lista da Falha, digo, Folha.

Recentemente tendo vindo morar em São Paulo, o vi certa vez caminhando pela Avenida Angélica. Estava fraco, provavelmente com uma saúde intermitente. Lamentamos sua morte, mas saudamos o grande poeta que soube como poucos agitar as mentes dos vivos e, principalmente, dos muito vivos.

Cabaret Revoltaire

No dia 15 de dezembro, eu e Kanzelumuka participaremos do Cabaret Revoltaire. Há grandes chances de que seja a última aparição do Poemacumba em 2012. Portanto, quem estiver em Sampa não pode e nem deve perder.

O Cabaret Revoltaire é um projeto sensacional, comandado pela Isadora Krieger, pelo Daniel Minchoni e também, desta vez, pelo Frederico Barbosa, pois o evento de dezembro será uma parceria com a Casa das Rosas. Como virá junto com a Rave Cultural, evento que acontece sazonalmente na Casa, terá seu início às 21h e durará até as 5h da manhã do sábado para o domingo.

Quem conhece a casa sabe o quanto o local é sugestivo para se fazer farras e orgias, festas à fantasia, loucuras, filmes de assombração, saraus e saravás, aproveitando os instantes em que se pode subverter o bem comportado dia a dia de uma respeitável casa histórica. E o Cabaret promete ocupar todos os rincões possíveis com uma programação intensa.

Soube que participarão: Marcelo Montenegro, com seu belo Tranqueiras Líricas, a performance Philomundus de Chiu Yi Chi, Giovani Baffô, Luiz Roberto Guedes, Fabiana Faleiros, Sinhá, Clóris Fontainebleau, Kika Ortiz, a própria Isadora Krieger e o Daniel Minchoni, mostra de filmes, exposição de fotografia e o que mais puder e vier.

Cabaret Revoltaire
Local: Casa das Rosas (Av. Paulista, 37)
Quando: o dia 15 para o 16 de dezembro
das 21h às 5h da manhã
maiores informações: 3285-6986 / 3288-9447