artículos de prensa

juan gelmanque eu sou um imenso admirador do poeta juan gelman – aquele poeta argentino que foi exilado na ditadura, teve parentes e amigos desaparecidos pela ditadura militar e a neta raptada por um policial que trabalhava no campo de concentração uruguaio onde marcelo (seu filho) e a nora (que chegou lá grávida) estava preso – isso já é um fato mais que notório.

o que poucos sabem é que esse mesmo poeta é também jornalista, e escreve artigos bombásticos (ao menos para nós, do hemisfério sul) em torno ao que acontece nas entrelinhas do poder norte-americano. me parece surpreendente que discussões do nível das que tenho lido na bitácora, nunca tenham sido cogitadas aqui no país da batucada. talvez porque o brasil não precisa ter senso crítico. talvez porque o arnaldo jabor admira demais os estados unidos. ou quem sabe porque as batatas fritas pringles são as mais gostosas do mundo. seja lá o motivo, as discussões em torno ao 11 de setembro (data que considero a mais importante desde o dia em que eu nasci), não tem o mínimo rigor aqui na maravilhosa imprensa brasileira.

marion cotillardjuan gelman diz que “o contrário do esquecimento não é a memória, e sim a verdade”. na semana passada, apareceu por lá um texto de nome “proibido dissentir”. começava falando da atriz francesa, marion cotillard. ao que parece, uma revista norte-americana começou a circular as declarações que ela fez há um ano atrás, onde ela botava em questão a versão oficial da casa branca em torno ao famigerado dia das torres gêmeas. e ao que parece, já se cogita o fim da carreira hollywoodiana da atriz que encarnou edith piaf no filme piaf.

coisa de americanos. fofocas e escândalos abaladores. óóó!

mas veja trechos do artigo:

“El descreimiento acerca de los verdaderos autores del atentado contra las Torres Gemelas no es nuevo. Se ha demostrado que hubo insólitos y muy beneficiosos movimientos en la Bolsa estadounidense una semana antes, como si algunos supieran.”

wtc

e mais adiante, ele comenta:

El escepticismo respecto de la versión de Washington se ha convertido en desmentida en varios círculos políticos europeos. El ex presidente de Italia, Francesco Cossiga, un hombre cuya honestidad le reconocen hasta los adversarios, fue terminante: “Nos han hecho creer que bin Laden habría confesado ser el autor del ataque del 11 de septiembre de 2001 contra las Torres Gemelas de Nueva York, mientras que, en realidad, los servicios estadounidenses y europeos sabían perfectamente que ese atentado desastroso fue planificado y ejecutado por la CIA y el Mossad, con el objeto de acusar de terrorismo a los países árabes y justificar así los ataques contra Irak y Afganistán” (Corriere della Sera, 30-11-07). Es notorio que Cossiga es católico y nada terrorista.

bem, o artigo é muito interessante. então eu deixo a dica: quem quiser ler na íntegra (vale a pena!), visite o blogue do juan. link aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *