Arquivos da categoria: poesia

Pesado demais para a ventania

Sábado próximo, dia 21/04, tem lançamento de Pesado demais para a ventania, antologia de poemas de Ricardo Aleixo. O livro sai pela Todavia, editora paulistana que já tem um catálogo bonito. O livro do Ricardo chega em boa hora. Festejemo-lo.

O que: lançamento do livro Pesado demais para a ventania, de Ricardo Aleixo.
Quando: Sábado, dia 21 de abril de 2018 a partir das 16h
Onde: Livraria Crisálida – Avenida Augusto de Lima, 233 sobreloja 25 (Edifício Maletta, segundo piso).

Relicário Edições: Exílios e Fundo falso

No último fim de semana, tive a honra de participar do lançamento do livro Fundo falso, da Mônica de Aquino. Uma coleção de poemas que, nota-se, foram sendo desenhados e trabalhados com delicado entalhe, como se a Mônica os estivesse escrevendo com técnicas de gravura em metal: água forte, maneira negra, água-tinta. Os laboriosos poemas dela começaram a ser escritos há, no mínimo, 10 anos. Do que fui testemunha e admirador. Sobre o poema que li no sábado (“Lagos”), cheguei a publicar no Suplemento Literário de Minas Gerais, em 2013 – numa edição especial na qual cada poeta deveria falar do poema que mais lhe impactou –, um pequeno comentário.

*

Amanhã, dia 12 de abril de 2018, participo do lançamento de Exílio – o lago das incertezas, de Lucas Guimaraens. A publicação é também da caprichosa Relicário Edições. O lançamento acontece na Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais (Praça da Liberdade, 21) a partir das 19h. O livro do Lucas foi publicado inicialmente na França e agora ganha edição brasileira. A edição está um primor. Lucas está lá, com seu elétrico verbo surreal. O livro traz prefácio de Edmilson de Almeida Pereira. Durante o evento, haverá leituras de poemas com, Fabrício Marques, Ana Martins Marques, Ana Elisa Ribeiro e Leo (eu) Gonçalves. Também terá um bate papo com o autor e o editor José Eduardo S. Gonçalves e, em seguida, coquetel. Como diz o Lucas: Avante!

ZIP – Zona de Invenção Poesia & 2018

Na próxima quarta, dia 21 de março, participo da ZIP – Zona de Invenção Poesia &. O evento vem acontecendo na Faculdade de Letras da UFMG, no Auditório e no Centro de Memória desde o início de março. Na ocasião, farei um bate-papo com Maria Esther Maciel. Terei a grande honra de dialogar com ela que foi uma das minhas mestras dentro e fora da faculdade de Letras e com quem atualmente tenho a sorte de manter uma boa interlocução.

Na sequência, participarei de um lançamento coletivo, incluindo a Coleção Livros de Bolso Labed e meu Use o assento para flutuar.

A programação foi pensada também em relação com o dia 21 de março é também o dia da Luta Contra a Discriminação Racial. A data foi criada pela Onu em memória do Massacre de Shaperville, quando vinte mil pessoas protestavam contra a a Lei do Passe na África do Sul.

Programa:

17h – Por que escrevo, com o coletivo Preta Poeta – Centro de Memória
19h – Diálogos de Oficina: Poesia em BH hoje, com Leo Gonçalves e Maria Esther Maciel – Mediação: Gustavo Silveira Ribeiro – no Auditório 2003.
20h30 – Lançamentos:
Coleção Livros de Bolso Labed
Use o assento para flutuar

Beagá Psiu Poético

A programação de Belo Horizonte essa semana vai de vento em popa. Vários eventos de poesia se encontrando. Quase que se poderia fazer um encontro dos blocos de poesia no domingo.

O Beagá Psiu Poético começa na quarta, dia 14 de março e vai até o domingo dia 18. Atividades intensas, lançamentos de livros de poesia, performances, bicicletadas, caminhadas, etc.

O Use o assento para flutuar será lançado no Beagá Psiu Poético na sexta-feira, dia 16 às 19h no CRJ – Centro de Referência da Juventude.

Se liga lá!

Em SP | Use o assento para flutuar na Desvairada

Chegou a hora de lançar o livro em São Paulo. Desta vez, estarei no estande da editora Pedra Papel Tesoura, durante a Desvairada – Feira de livros de poesia. Também nesse estande, estará acontecendo o lançamento dos livros A máquina de existir, de Fabrício Marques e Mapas provisórios, de Tatiana Perdigão. Estaremos no estande ao longo de todo o dia do evento: das 13 às 22h. Haverá leituras de poesia, performances, conversas e outras atrações durante o evento. Para saber mais, é no site da Desvairada: https://desvairadasite.wordpress.com/

Quando: Sábado, dia 10 de março a partir das 13h
Onde: no Aldeia 445 (Rua Lisboa, 445 – Pinheiros)

Expresso Poesia | Casa das Rosas

A partir do próximo sábado, a Casa das Rosas apresenta o projeto Expresso Poesia. Quinzenalmente, o Museu oferecerá um breve momento de descontração: a cada encontro, um poeta convidado manterá contato direto com o público, apresentando um pouco de sua obra.

No primeiro dos encontros, o poeta convidado serei eu. Apresento um pouco da performance “Em caso de incêndio queime lentamente”. Aproveitarei a ocasião para fazer uma pequena sessão de autógrafos do livro Use o assento para flutuar (2ª edição), que acaba de ser publicado pela Editora Crisálida.

EXPRESSO POESIA: O STAND-UP DA CASA DAS ROSAS
POR LEO GONÇALVES
20/01 às 14h30.
sábado, 20 de janeiro de 2018, às 14h30

Mais informações: www.casadasrosas.org.br

Use o assento para flutuar | 2ª edição

Foram meses de espera, um ano se passou desde que chamei os leitores para colaborar para a nova edição de Use o assento para flutuar. Aventuras ocorreram. Viajei para longe nesse meio tempo sempre com vontade de tê-lo comigo para mostrar aos amigos pelo mundo afora. Tive dúvidas se a edição sairia mesmo, como tudo o que duvidamos quando tarda muito para acontecer. Felizmente fui sempre acalmado pelo editor, Oséias Silas Ferraz, que sempre me deu alguma posição, me garantindo que aconteceria sim. E enfim: aconteceu. Aí está o livro. Impresso, ficou bonitão. Estou em lua de mel.

O livro pode ser adquirido dos seguintes modos:

Compre comigo mesmo, pessoalmente. Para me achar, basta acompanhar aqui mesmo no www.salamalandro.redezero.org a agenda de atividades que realizarei nos próximos meses.

No próximo sábado, dia 20, estarei em São Paulo: me apresento na Casa das Rosas às 14h30 inaugurando o projeto Expresso Poesia, que a casa organiza.

E no sábado seguinte, dia 27, participarei da Feira de Inutensílios, na casa de Ricardo Aleixo, em Belo Horizonte.

(Para ambos os eventos, aguardem mais notícias neste blog)

Pode comprar também nas melhores livrarias do país. Para isso, aguarde alguns dias até que comece a distribuição. O leitor pode, para adiantar, encomendar a seu livreiro preferido.

Um lugar onde não faltará nunca: a Livraria Crisálida, sede da própria editora. Ela fica no Edifício Maletta, em Belo Horizonte. Avenida Augusto de Lima, 233 – Sobreloja 25 (telefone: 31 3222 4956).

Você também pode encomendá-lo pelo site da Editora Crisálida, onde você encontrará mais informações sobre o método de pagamento e o prazo para a entrega. O link é: http://crisalida.com.br/livros/NE5493/9788587961884/use-o-assento-para-flutuar.html

Os amigos, claro sempre sabem como falar comigo.

La medusa dual | Antologia bilingue de poesia mexicana

“Poetas polisexuales, poetas bombas, poetas que brotan como pájaros com cabeza de niños y de niñas, poetas que surfam las ruinas del apocalipsis primaveril. “Me gustas más cuando te sueño… entonces hago de ti lo que quiero”, dice Rulfo, fazendo referencia também al lenguaje. Y es másomenos eso lo que fazem los poetas en esta antologia: usam el propio cuerpo como instrumento musical. Curtem sonhar la poesia y hacer de ella una bomba, una metralleta erótica, uma arma química verbal kontra todas las fuerzas que nos quieren tristes, mezquinos, impotentes, depres y cagones.”

Douglas Diegues na “Lectura previa” a La medusa dual

*

Acaba de ser publicada na Cidade do México a antologia La medusa dual [A medusa dual], da poesia mexicana atual. O livro tem organização de Fernando Reyes, parceiro com quem já publiquei a antologia Tenho tanta palavra meiga, também de poetas mexicanos vivos. Os poemas aparecem em espanhol e em português, com tradução de Leo Gonçalves, este que vos fala.

La medusa dual [A medusa dual] traz poemas de Armando Alanís, Jorge Contreras, Isolda Dosamantes, Jesús Gómez Morán, Antonio Hernandes Villegas, Leticia Luna, Aglae Margalli, Daniel Olivares Viniegra, Guadalupe Sánchez Linares, Lina Zerón, Pedro Emiliano, Arturo Trejo Villafuerte, Uriel Reyes, Patricia García, Andrés Cisneros de la Cruz e Fernando Reyes.

A antologia mostra um pouco da grande diversidade inventiva dos mexicanos, sempre pensando naquela ideia de Fernando, de mostrar que a poesia mexicana “não descansa em Paz”, ou seja, que ela não parou apenas nas aulas do Prêmio Nobel Mexicano, Octavio Paz. Erotismo e tradição. Ficção e trevas. Surrealismo e feminismo.

Quem assina o prefácio da antologia é Douglas Diegues, nosso maestro del portuñol salvaje. O livro aparece pela Cisnegro – Lectores de alto riesgo, capitaneada pelo maestro Andrés Cisneros.

*

Título: La medusa dual / A medusa dual
Compilador: Fernando Reyes
Tradução ao português: Leo Gonçalves
Editora: Cisnegro
Ciudad de México, 2017