deu na folha de são paulo

Poeta argentino Juan Gelman ganhou o Prêmio Cervantes de 2007

sexta-feira, 29 de novembro de 2007

O escritor argentino Juan Gelman, ganhador do Prêmio Cervantes de Literatura 2007 entregue hoje, disse que está “muito emocionado e comovido”, mas não esperava sair vencedor, dada a “estatura e valor dos demais candidatos”.

Em declarações à agência Ansa feitas de sua casa na Cidade do México (onde está radicado desde 1976), Gelman se mostrou satisfeito em ter obtido o reconhecimento “por aquilo que significa [o prêmio] no contexto da literatura hispano-americana”.

“Me comoveu, eu não esperava. Depois que li a lista de candidatos, todos escritores de primeira linha, como Juan Goytisolo, Mario Benedetti, Blanca Varela, José Emilio Pacheco ou Juan Marcé, disse a mim mesmo: “é muito difícil”, contou o poeta argentino.

Para o autor de “Velorio del Solo” (1961) e “Gotán” (1962), ganhar um prêmio desta magnitude “é realmente um grande estímulo, sem dúvida, porque condensa um reconhecimento pelo que foi escrito”.

“O fato é que nenhum prêmio nem reconhecimento escreve por alguém, quem escreve é esse alguém. De qualquer jeito, o estímulo é muito grande”, afirmou.Ao ser consultado sobre a possibilidade de ser indicado, ou pelo menos aspirar, ao Prêmio Nobel de Literatura, o poeta afirmou que “a Suécia está muito longe do México e também da Argentina”. Gelman também falou de sua trágica experiência com a ditadura na Argentina, quando seqüestraram seu filho, Marcelo Ariel, e a esposa dele, María Claudia García (grávida na época), em agosto de 1976. Em outubro, Marcelo foi encontrado em um tambor de aço flutuando no Rio da Prata. Já de sua nora María Claudia, só foi devolvida a filha, nascida. Segundo Gelman, o acontecimento lhe permitiu “uma espécie de pacificação interior, para ver certas coisas”.

Firme opositor das ditaduras de Argentina e Uruguai, e de sua impunidade, Gelman foi obrigado a fugir da repressão desatada pelo regime argentino (1976-1983) e se exilar do país por 12 anos. “[México] é um país que conheço desde o ano de 1961, que foi a primeira vez que passei, e estive por aqui quando era a região mais transparente, de verdade”, lembrou.

A fala do poeta aponta ao título do romance de Carlos Fuentes, “La Región Más Transparente”, em referência ao céu da Cidade do México, onde dizia sentir-se em “em casa”. Juan Gelman também brincou ao afirmar que adora a “vitamina T”, como se denominam popularmente no México bebidas e comidas típicas: “tequila, tacos, tortas e tamales”, porque “é excelente, barata e abundante”.

O escritor recebeu, em 1997, o Prêmio Nacional de Poesia da Argentina e, em 2000, o Prêmio de Literatura Latino-americana e do Caribe Juan Rulfo, e possui livros traduzidos em mais de dez idiomas.

Ele garante que não foi convidado à Feira Internacional do Livro de Guadalajara, onde se reúnem vários escritores do mundo todo. Por outro lado, se mostrou entusiasmado por ter sido convocado a dar aulas na cátedra “Julio Cortázar”, nesta mesma cidade mexicana: “uma distinção que aprecio muito”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *