Édouard Glissant: un adieu, un salut

Esta semana, faleceu uma das figuras mais interessantes do “tout-monde”. Édouard Glissant: poeta, filósofo, anticolonialista ativo, romancista, alquimista do verbo, foi (e é) um dos melhores teóricos da diferença. Era ele quem dizia:

Não são só cinco continentes, há também os arquipélagos, uma floração de mares, evidentes, cujos mais ocultos já nos comovem. Não só quatro raças, mas não é de hoje, surpreendentes encontros (…). Não somente grandes civilizações, ou antes: a própria medida daquilo que chamamos de civilização cede à mistura dessas culturas das humanidades, vizinhas e implicadas. Seus detalhes engendram em toda parte, de toda parte, a totalidade. O detalhe não é um aspecto descritivo, é uma profundeza de poesia, ao mesmo tempo que uma extensão não mensurável.

Recentemente andei envolvido com a leitura do seu incrível livro Philosophie de la relation [Filosofia da relação], de onde saiu a citação acima. É uma descrição da poesia em extensão não descritiva. Ali são propostas inusitadas poéticas para a leitura do mundo e um abismo vertiginoso de palavras.

Segundo ele, dentro da glote que fala e cala, já vibra o poema original.

Eis que se ergueu uma palavra sagrada. Ora o poema, então o poema, gerado de si mesmo, começou a ser reconhecido. Assim deve ter sido pronunciada, talvez, nas pré-histórias de todas as literaturas do mundo, esse mesmo começo.

Ele se considerava um aimant du monde, um amante do mundo. Acreditava que “as quedas-d’água já vibram na fonte”. E defendeu em sua teoria a ideia de um mundo multifacetado até o infinito. A construção de uma universalidade não universal onde cada unidade valeria por um universo inteiro. Nada do típico medo do outro ou da vontade de dominar pela força para anular o diverso.

Na diversidade consentida, os diferentes não renunciam a se definir alhures, enquanto diferentes de si, mas não temem tampouco buscar, de maneira inopinada ou nova, ser identificáveis ao outro. É a eminência da diversidade de se estar assim multiplicado na ação e na paixão pelo mundo, mas de se achar somente reforçado quando ela se assinala ao reconhecimento de todos. Somente esse saber pode transformar. Nós estávamos, estaríamos ainda, imóveis no único. E o próprio desconhecimento de nossos saberes, quando são comuns, nos retira do lugar.

Embora ele tenha se despedido do mundo aos 83 anos no dia 03 de fevereiro, Glissant fará falta neste mundo 1984 que nos espreita.

4 comentários sobre “Édouard Glissant: un adieu, un salut

  1. sempre uma descoberta quando passo por aqui. gosto muito.

    fica minha homenagem para esse homem que continuará ter palavra-ação intensa.

    um abraço leo e grata por compartilhar

  2. Pois é, Flávia,
    O Glissant é excelente. Figura fantástica mesmo. Tem só um livro dele publicado no Brasil. Se chama Introdução a uma poética da diversidade, da editora da UFJF.
    Obrigado pelas visitas.
    Um abraço pra vc também.

  3. Venho namorando um grupo de trabalho sobre as narrativas ficcionais nas negociações políticas do mundo inteiro – algo como estudar a criatividade da politicagem na formulação de tantas justificativas para se declarar guerra – e a moçada cita Glissant. Joguei essas 8 letras no oráculo google e achei vc! Viva! Fiquei mais curiosa ainda em conhecer a figura. Um beijo daqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *