etnopoesia no milênio

livro: \ a etnopoesia, muito mais do que uma interseção entre a antropologia e a poesia, é uma mudança de paradigmas. o ocidente perdeu muito tempo com a discussão “o que é poesia”, sempre enxergando-a como um braço dos ensinamentos gregos. com isto, foi esquecido algo simples e óbvio para qualquer pessoa interessada nessa camada sutil que paira sobre as coisas sobre a qual deram o nome, repito, de “poesia”: que a poesia pode estar em qualquer coisa ou lugar.

o trabablho de jerome rothenberg começou quando, em 1967, lançou um livro sui generis chamado “technicians of the sacred”, onde fazia uma grande antologia de poemas-textos-dizeres de xamãs & pajés do mundo inteiro. desde então, a revolução que ele vem propondo é convulsiva, transbordante. ao lado de seus próprios poemas, já publicou antologias de poetas judeus, poetas dos campos de concentração nazistas, poesia xamã das américas, antologias renovadoras onde figuram poetas do mundo inteiro, tais como um poeta-xamã-esquimó, um antigo e anônimo escriba do egito, pound, poetas concretistas, maria sabina, os poetas da negritude e por aí vai.

este livro, “etnopoesia no milênio”, é o primeiro do autor (talvez mesmo sobre o tema) a ser traduzido e/ou publicado no brasil (40 anos de atraso!).

quem quiser ler coisas de/sobre Rothenberg, eis alguns links:

rothenberg antologizado e entrevistado por rodrigo garcia lopes

jerome rothenberg no ubu, a maior referência na web sobre a ethnopoetics, com soundings, visuals, poems & discourses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *