isso de juan gelman recirculando

estive em brasília há alguns dias. uma passagem muito proveitosa. dentre as muitas conversas que tive por lá, destaco um raríssimo encontro com o professor henryk siewierski, coordenador da coleção poetas da editora unb. ele me revelou a bela notícia da recirculação do livro “isso” que estava esgotado até a pouco. para comemorar, deixo aqui um comentário publicado no jornal rascunho à época do lançamento do livro de juan em 2004.

Irônico desespero

por Jefferson de Souza

Escrever para não esquecer, para que ninguém esqueça. Talvez esta seja uma das mais possíveis maneiras de exorcizar os fantasmas autoritários que roubaram vidas impunemente na América Latina há poucas décadas. Juan Gelman nasceu em Buenos Aires, em 1930, e cumpre na literatura latino-americana o importante papel de ser a memória insistente e persistente do período de trevas imposto pelas ditaduras. É um dos mais importantes poetas da atualidade e trabalha com maestria o realismo crítico. A história de vida deste filho de judeus ucranianos reflete a dureza da sua poesia. ele teve o filho e a nora, grávida, seqüestrados pelos militares em 1976. Os restos mortais de Marcelo (o filho) foram encontrados em 1989. A família do poeta ainda está à procura do corpo de Claudia, a nora, mas em 2000 esta luta ganhou um grande fôlego quando foi encontrada a neta que havia sido adotada por um militar uruguaio 23 anos antes. Juan Gelman ficou 12 anos no exílio, mas não foi este sofrimento que o levou à poesia e sim o amor. Ele começou a escrever aos nove anos, quando tentou conquistar uma vizinha de onze anos, mandando poemas de outros autores e foi ignorado. Sentiu que com os seus poemas, ela se entregaria ao amor… Não foi o que aconteceu, mas ele continuou escrevendo para o bem da grande “dama”: é assim que o autor se refere com doçura à poesia. O livro do qual falamos é Isso e integra a coleção Poetas do Mundo da editora UnB. Esta obra foi publicada pela primeira vez em reunião organizada pelo próprio autor. Na edição brasileira, aparece o belo trabalho dos tradutores Andityas Soares de Moura e Leonardo Gonçalves, que no poema “Ao redor do qual” optaram por não traduzir palavras começadas por alm-, uma colagem lúdico-vernácula que perderia o sentido na tradução.

“e a almona é lugar onde se pescam sábalos/
e almorta é uma planta de talo herbáceo e ramoso/
e a semente dessa planta é a almorta/”

O presente livro recupera a história poética de Gelman, que fala de amor e de outros conflitos da Alma. Afinal, de que é feita a arte senão dessas enfermidades? Mas não pensemos só em aridez e desespero, a voz de Gelman é também macia, sutil, irônica, triste, como no belo poema que abre o volume –

aniversário

respiraria/rua/onde agora
cai a tristeza?/enchove?
mamãe trouxe a tarde/
vou manchar as toalhas/com certeza/

e adoraria o pito
que vai me passar/suavíssima/
revolvendo minha alma
com a colher da sopa/

a última coisa que fez
antes de morrer
foi esticar um fiozinho
para me pôr ao sol

O livro, escrito em Paris entre 1983 e 1984, tem um caráter memorialista como toda a obra deste argentino e merece estar na biblioteca dos que admiram a força da poesia.

[matéria publicada no Jornal Rascunho, fev. 2005]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *