João Batista Jorge

quando estou longe de você

as quatro paredes são brancas
o teto é branco, o assoalho branco
os móveis brancos, brancos objetos
livros brancos (e as páginas brancas dos livros)
esta folha é branca
branca a tinta com que escrevo nela
estas palavras brancas

quando estou longe de você
e não há ruídos
todos os motores adormecidos
e o silêncio é branco

quando estou longe de você
e o oposto do branco é o branco

(João Batista Jorge)
***

Semana passada tive a honra de estar em Belo Horizonte participando do recital Prova de corte, da Thais Guimarães. O evento fazia parte das Terças Poéticas, que acontece toda semana no Palácio das Artes. O meu papel foi o de ler alguns poemas do homenageado João Batista Jorge (que, dos anos 70 para os 80 foi companheiro da Thais). Junto conosco, Ricardo Aleixo fazia a direção e lançava sons com seu famoso “laptop zoador”. O momento foi um dos mais emocionantes desse 2011 (e olha que tenho tido experiências incríveis em 2011).

João Batista Jorge foi poeta da geração mimeógrafo, circulando pelas ruas de Belo Horizonte em meados dos anos 70. Deixou publicados 3 livros: Tíbias e flautas, Flagrante joia e Asa da águia/água da ásia. Foi também um dos organizadores do jornal alternativo Paca tatu, cotia não. Jorge foi assassinado na sua cidade natal (São Gotardo) em 1983 e os motivos de sua morte, assim como seu assassino, continuam ainda desconhecidos. Suspeita-se de (des)razões políticas. O que ele escreveu além do publicado? Não se sabe: a família preferiu deixar que a morte silenciasse também as palavras do poeta.

3 comentários sobre “João Batista Jorge

  1. tive a sorte e a honra de encontrar o livro flagrante joia no edifício maletta, João eh grandioso, não só gosto de suas poesias, as respeito e a elas dedico o meu amor, pois são palavras de um poeta real. estou publicando a guerra-deus em meu jornal. pedi licença a sua sobrinha, e vamos caminhando, fazendo joão viver mais um pouco até o dia em que eu morrer! abraço e parabéns pelo resgate, manda um abraço pro wilmar silva tbm e congratulações! poesia marginal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *