Um de Léopold Sédar Senghor

Mulher negra

Mulher nua, mulher negra
Vestida de tua cor que é vida, de tua forma que é beleza!
Eu cresci a tua sombra; a doçura de tuas mãos vendava meus olhos.
E eis que no ventre do verão e do meio-dia, eu te descubro, terra prometida, do alto de
um alto colo calcinado
E tua beleza me acerta em pleno peito, como o relâmpago de uma águia.

Mulher nua, mulher obscura
Fruto maduro de carne firme, sombrios êxtases do vinho negro, boca que bota lírica a
minha boca.
Savana dos horizontes puros, savana que freme às carícias quentes do vento leste
Atabaque esculpido, atabaque tenso que rosna sob os dedos do vencedor
Tua voz grave de contralto é o cântico espiritual da amada.

Mulher nua, mulher obscura
Azeite que não crispa nenhum sopro, azeite plácido nos flancos do atleta, nos flancos
dos príncipes do mali
Gazela de laços celestes, as pérolas são estrelas sobre a noite de tua pele
Gozo de jogos espirituosos, os reflexos do ouro rubro sobre tua pele que rebrilha
À sombra de teus cabelos, se esclarece minha angústia aos sóis próximos de teus olhos.

Mulher nua, mulher negra
Eu canto tua beleza que passa, forma que fixo no eterno
Antes que o destino cioso te reduza a cinzas para nutrir as raízes da vida.

A tradução é minha e está publicada na revista roda nº1. O poema é de Léopold Sédar Senghor. Para ler o original, clique aqui. Este poema é considerado o grande hino do continente africano, onde a África é comparada com uma mulher extremamente sensual. Eu comparo dialeticamente este poema com um poema de Cruz e Sousa: “Afra”. Um dia eu ainda explico por quê.

A mulher na foto é a dançarina senegalesa Germaine Acogny, que foi amiga do poeta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *