POEMACUMBA

Foto: Carllos Bozelli

“E não somente as bocas cantam, mas as mãos, os pés, as nádegas, os sexos, e a criatura inteira se liquefaz em sons, vozes e ritmos.”

Aimé Césaire
Cahier d’un retour au pays natal

*Performance com Kanzelumuka e Leo Gonçalves

Poemacumba é uma performance de dança e poesia, em meio a intervenções de ruídos e alguma música produzida pelos corpos e instrumentos presentes na cena. Durante 30 minutos, os poemas, o violão e alguns objetos produzem o ambiente sonoro coreografado e dançado por Kanzelumuka.

O nome Poemacumba faz referência ao Candomblé, a religião animista Afro Brasileira de raízes Banto, especialmente o quimbundo, o umbundo e o quicongo, línguas que deixaram fortes marcas no português falado no Brasil. Durante a performance, os artistas exploram esses ritmos que estão na própria base da linguagem dos poemas e dos movimentos da dança. Trata-se de uma obra corp-oral que tenta recompor as peças da cultura da oralidade que sobrevive no pano de fundo de nossas tradições culturais.

perdida no palheiro da cultura hegemônica, sempre tão reverente diante dos valores coloniais que permanecem em vigor no grande caldo na cultura nacional.

Não é em sem propósito a escolha do ramo banto, tão complexo e diversificado inclusive em território brasileiro. Tanto o poeta quanto a dançarina reconhecem em suas origens valores desses povos guardados pelos seus “mais velhos” e seus ancestrais. Valores que se perderam no palheiro da cultura colonial, ainda em vigor, em pleno século XXI no país do famigerado mito da democracia racial.

Poemacumba é um esforço para articular essas nuances banto em ritmo e poesia. E também uma busca de reconciliação com nossa própria crioulidade. Um exercício, um esforço de descolonização do corpo e da linguagem.

**

Poemacumba is a performance consisting of dance and poetry accompanied by ambient sound as well as instrumental and body music. During 20 minutes, Leo Gonçalves recites his poems, plays guitar and percussion to produce sounds that are in turn danced by Kanzelumuka.

The name Poemacumba makes reference to Candomblé, the animistic Afro Brazilian religion of partly rooted in Bantu cultural traditions whose rituals encompass a musical base made of Quimbundo, Umbundo and Quicongo words mixed with Portuguese. During their performance, the artists explore the African rhythms that make up Brazilian language and dance. This is a corp-oral piece of work that seeks to recompose the puzzling leftovers of a culture of orality which survives in the background of our country’s assumed cultural traditions.

The choice of Bantu’s branch of knowledge is not arbitrary, but explicitly evoked by both poet and dancer as an homage to their complex and diversified ancestry. Such values are lost in the haystack of the hegemonic culture, permanently ready to segregate those cultures in spite of the infamous ‘myth of racial democracy’.

The work is an attempt to articulate Bantu and its nuances and ultimately, a search for a reconciliation with our own creolity and an exercise of decolonization of the body and the language.

***

Biografias/Biographies:

KANZELUMUKA, bacharel em dança pela UNICAMP, é criadora-intérprete, pesquisadora e professora de dança. Concluiu em 2007 a pesquisa Em águas abundantes: um estudo sobre as diferentes escrituras do corpo cênico a partir das matrizes corporais das danças de Kayaia sob orientação da Profa. Dra. Livre Docente Inaicyra Falcão dos Santos. Durante 2008 e 2009 fez parte do elenco da SeráQ. Cia de Dança, onde atuou nos espetáculos Es quiz e Q’eu Isse. Também trabalhou com artistas como Gil Amâncio (Oficina Entre Alfazemas) e Ricardo Aleixo (performance Metaformose); produziu a primeira edição da REDE – Terreiro Contemporâneo de Dança e ministrou aulas de danças no Centro Cultural UFMG e no Programa Valores de Minas. De volta a São Paulo, esteve no elenco do espetáculo Escafandros, do Núcleo Experimental de Dança do Teatro de Tábuas, e na Cia TeatroDança Ivaldo Bertazzo, com o espetáculo Corpo Vivo – Carrossel das Espécies. É co-fundadora d’A Nave Gris Cia. Cênica e educadora de dança no programa Fábricas de Cultura do Jardim São Luís (São Paulo/SP).
**
KANZELUMUKA, has a BA in dance from UNICAMP, she’s a coreographer and interpreter. Her research “Under abundant water: a study on the different scriptures of the scenic body after the corporal matrix of the Kayaia’s dance”. Between 2008 and 2009, she worked in Belo Horizonte (Minas Gerais, Brasil) in SeraQ. Cia de Dança, where she acted in the shows Es quiz and Q’eu Isse. In São Paulo, she was in the show Escafandros (Diving dress) with the Núcleo Experimental de Dança of the Teatro Tábuas, and in the Cia TeatroDança Ivaldo Bertazzo, she was in the Corpo Vivo – Carrossel das espécies (Living Body – Merry go round of species]. She is co-founder of A Nave Gris Cia. Cênica and acts as an educator in the program Fábricas de Cultura do Jardim São Luís.


LEO GONÇALVES
é poeta, performer, ensaísta e tradutor nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais em 1975. Autor dos livros de poemas Use o assento para flutuar (Patuá, 2012), WTC BABEL S. A. (Barbárie, 2008) e das infimidades (in vento, 2004). Traduziu os livros Canções da Inocência e da Experiência de William Blake (Crisálida, 2005), Isso de Juan Gelman (UnB, 2004) e O doente imaginário de Molière (Crisálida, 2008) e poetas como Aimé Césaire (Martinica), Birago Diop (Senegal), Léopold Sédar Senghor (Senegal), Édouard Glissant (Martinica), Frankétienne (Haiti), Léon Laleau (Haiti), Allen Ginsberg (EUA), Tchicaya U Tam’Si (Congo), entre outros.

**

LEO GONÇALVES is a poet, performer, essayist and translator from Belo Horizonte, Minas Gerais born in 1975. He published the books Use o assento para flutuar (Use the seat for floating) (2012) and das infimidades (on infimum) (2004). He translated William Blake’s Songs of innocence and experience, Juan Gelman’s Eso (This) and a number of poems by Aimé Césaire (Martinique), Birago Diop (Senegal), Léopold Sédar Senghor (Senegal), Édouard Glissant (Martinique), Frankétienne (Haiti), Léon Laleau (Haiti), Allen Ginsberg (EUA), Tchicaya U Tam’Si (Congo) and others. He writes in the website: www.salamalandro.redezero.org

*

Ficha técnica:
Concepção/Concept: Leo Gonçalves
Criação e interpretação/Creation and Interpretation: Kanzelumuka e Leo Gonçalves
Iluminação/Lighting: Diogo Cardoso
Cenário e figurino/Stage and Costume Design: Ateliê Duas Coroas
Ambientação sonora/Sound: Kanzelumuka e Leo Gonçalves
Duração/Duration: 30′
Classificação etária: livre

****

Contatos/Contacts:

Kanzelumuka (Franciane de Paula):
+55 11 98809-7646 (Claro)
franciane.depaula@gmail.com

Leo Gonçalves:
+55 11 98515-2632 (Tim)
leogonsalves@gmail.com

*
Última atualização: 01 de maio de 2013

2 comentários sobre “POEMACUMBA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *