POEMACUMBA inaugurada

Apresentei, no dia 07 de novembro, como parte do Simpoesia III – na Casa das Rosas – a performance POEMACUMBA. Nesta proposição, vocalizo meus poemas que melhor resvalam no lado banto da língua. Orinquices, feitiços, ofós, curas, fetiches. Evocações de sons e vozes ancestrais para encher o ambiente de ngunzu, hal, axé.

Esta performance (anime) é o segundo trabalho onde coloco em prática os princípios do verbo atuante, que vêm sendo desenvolvidos por mim e pelo poetadançarino  Benjamin Abras.

Work in progress, pretendo parafernalizá-la para apresentar outras vezes e decepcionar outras plateias.

(foto: Erin Moure)

4 comentários sobre “POEMACUMBA inaugurada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *