poesia & cidade: formas de reconfiguração do espaço urbano

e na última edição da zip: zona de invenção poesia &, um assunto que dá o que falar. teremos a ilustríssima presença dos nossos camaradas renato negrão, mara de aquino, rita medeiros e waldemar euzébio. artistas que pensam a cidade, o espaço urbano de maneiras muito diferentes entre si. o jaguadarte anuncia que tão cedo não rola outra. quem quiser ver mais sangue na discussão, clique aqui.

Um comentário sobre “poesia & cidade: formas de reconfiguração do espaço urbano

  1. O que o poema e a pintura podem ter em comum, a não ser pelo fato de ambos pertencerem ao mundo da arte? E ainda mais, o que uma poeta brasileira da segunda metade deste século tem a ver com um pintor holandês do início do século? Com certeza, as respostas não se baseiam nos limites que essas perguntas impõem, mas antes estão na maneira como a arte pode ser pensada a partir de diálogos implícitos, de posturas afins que buscam no silêncio, no Nada, um ato de purificação, de forma que a superação do real ganhe contornos de transcendência. Nesse sentido, o que liga a poeta Orides Fontela ao pintor Piet Mondrian é um processo de elaboração artística que tem no Nada a crença de que é possível articular uma arte voltada não apenas para a realidade e suas representações, mas para algo cujas trajetórias se definem como espaços autônomos, imunes ao olhar gratuito e viciado do dia-a-dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *