Poéticas Negras

Foto: Layza Vasconcelos

Gosto quando Octavio Paz desfaz a confusão entre poesia e poema: “A poesia é conhecimento, salvação, poder, abandono. Operação capaz de mudar o mundo, a atividade poética é revolucionária por natureza; exercício espiritual, é um método de liberação interior. (…) Oração, litania, epifania, presença”. Há poesia nas coisas. Há poesia na dança. Mas nem todas as coisas são poesia. Toda dança talvez seja poesia. A dança está para a poesia assim como o poema. “O poema não é uma forma literária, mas o lugar de encontro entre a poesia e o homem.Poema é um organismo verbal que contém, suscita ou emite poesia.”

Poética é palavra de outra natureza: não se trata aqui de uma forma literária, mas de um projeto, um devir, um fazer, conjunto de técnicas, conhecimentos, habilidades para tanger o que chamo aqui de poesia, mas que pode ser chamado também de experiência estética, travessia, encontro.

Poesia, poema, poética.

O Festival Poéticas Negras, do qual tive a honra de acompanhar e participar entre os dias 19 e 21 de novembro em Goiânia, foi um desses momentos em que a poesia se torna o próprio oxigênio do diálogo. Oportunidade única para que o núcleo de participantes pudesse chegar a interlocuções reais e profundas, amizades que prometem permanecer, diálogos que ganharão certamente desdobramentos inesperados.

A programação pequena, mas pulsante, incluindo um ciclo de debates e espetáculos, atraiu um público especialmente interessado no assunto da dança. Goiânia, que ganhou há pouco tempo uma faculdade de Dança, certamente ficará marcada por esse evento.

Merece saudação e agradecimento o trabalho das irmãs Ana Carolina e Waléria Wenceslau. Sua concepção do evento, a produção e a gestão de tudo se deram numa combinação de simplicidade e inteligência, coisa rara nesse meio onde reina um desejo de glamour e outras vaidades vazias.

Na foto acima, eu e minha parceira Kanzelumuka (Franciane de Paula) fazíamos o Poemacumba durante a “Noite das ayabás”. Esperamos que venham outros tantos (cada vez mais e melhores) Poéticas Negras como este.

Um comentário sobre “Poéticas Negras

  1. “O Brasil inteiro precisa ler o que ele escreve, para render homenagem a um talento e a uma versatilidade assim tão grandes”.Walter Waeny, trovador da Academia Santista de Letras———-Na literatura de Ribeirão Preto sua prosa e poesia fez a nossa história literária e, ficou comprovado nos certames em que foi premiado. Seus livros: A Mansão do Morro Branco, Versos à Ribeirão Preto, Mãe, Minha Trova em Ribeirão Preto, Sonetos de várias datas,Restos de Ventura, entre outros, enriquecem o mundo literário desta cidade que tanto amou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *