saudades do movimento literatura urgente

tenho sentido muita falta das discussões em torno às políticas públicas de fomento à literatura. o movimento literatura urgente eclodiu em meados de 2004, exatamente na época que saía o meu “das infimidades” e a minha tradução de “isso”. lembro que a provocação começou nos blogues do ricardo aleixo e do ademir assunção, logo ganhando visibilidade e se transformando num conjunto de ações reais. houve um grande debate repleto de propostas e a adesão de quase duzentos escritores. os integrantes do movimento entregaram solenemente ao ministro gilberto gil e ao então coordenador nacional do livro, galeno amorim, o manifesto “temos fome de literatura”. lembro-me de ter participado de algumas reuniões, aqui, em belo horizonte, onde havia um grupo bem alentado de pessoas interessadas.

a discussão ganhou bastante espaço entre 2004 e 2005. tenho a nítida impressão que a inclusão do item produção literária no programa petrobrás cultural (veja o texto abaixo) é um efeito positivo dessas discussões. o efeito negativo correu por conta da triste postura da veja, que quis sabotar a idéia -o que já era de se esperar, uma vez que a revista é a porta voz de todos os oligopólios culturais, políticos e industriais do brasil e tem um cuidado todo especial para com os potenciais best-sellers das grandes editoras e faz questão de defender qualquer um que ameace esses oligopólios.

eu estava extasiado, há pouco, relendo o manifesto e fiquei pensando: por que essas coisas nunca ganham um lugar ao sol por aqui? eu penso isso, lembrando o tempo todo do velho sábio darcy ribeiro dizendo: “então, o maior desafio é decidir qual o brasil que nós queremos inventar”.

difícil isso, num país tão imaturo.

para ler o manifesto com suas excelentes propostas que continuam atuais, clique aqui: [manifesto “temos fome de literatura”]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *