um poema de sousândrade

Flirtations
(Manhattanville)

Ninguém ande à encruzilhada
Por noites de São João –
Vejam a mal-assombrada,
Meninas! “Oh, a visão!…”

– Cora, qual é tua sorte?
“Na Quinta Avenida, à corte,
Casarei.”
– Sempre never cada Fanny?
“Morrerei.”
– E tu, Augusta, rubores?
Vão ver, que sorte de amores…
“Eu sonhei.”

Pior do que encruzilhadas
De visões; portas e escadas
Destes céus de Manhattan
Com que aí stão-se aninhando
Alvoradas? matinando
Toda a noite até manhã?
“Fogo! fogo! é rato! é gato!”
– Matinada de Babel!
Meninas, mudem de quarto,
Há mais quem durma no hotel!

São as três; doirada tarde,
Vêm da escola e em risos ledos,
O olhar longínquo de que arde,
Atiram beijos co’os dedos.

Ora, estudando as lições:
“Diga, diga, as professoras
Deram tese – Os dois vulcões
Maiores -. Belas senhoras,
Há crescenças… sobre os Andes
Que são da terra as mais grandes…
Rindo Fanny, Cora alada
E ar Augusta de graduada –
“Andes são serras: vulcões,
Sir! os maiores do mundo!?”
– Oh! que estão no céu profundo
Chamas lançando em festões?
“Yes! Yes!”
– Que rugem? ‘strugem
Com lavas bravas?!
“Yes! Yes!”
– São, my girls, dois corações…
“Oh! oh! oh!”

um poema do livro: “Sousândrade: inéditos” (org.: Frederick G. Williams e Jomar Moraes). São Luís: Departamento de Cultura do Estado, 1970

2 comentários sobre “um poema de sousândrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *