Arquivo da tag: literatura

Revista Pitomba

– Fazer o quê, velho, a gente é assim!

Me dizia meu camarada Reuben da Cunha Rocha, enquanto eu folheava embasbacado para o escárnio e o (de)lirismo que transborda do novo número da suculenta Revista Pitomba, que ele me trouxe do Maranhão sob meus protestos de ansiedade incontrolável. E então, eis que abro o editorial:

– Ah! Hein? Ah! Hein?
– ah!

Os editoriais dessa revista são o máximo. O assinam, além do Reuben, o Celso Borges e o Bruno Azevêdo. Na revista, tem fotonovelas, sarcasmos, maledicências, benedicências também, poemas e traduções de poesia deles e de outros colaboradores como o Fabiano Falcon, Luiza de Carli, Nonato Masson, Paulo Vieira, Rafael Campos Rocha e, neste número, eu que, em parceria com o Reuben, traduzi o “Manifesto populista” de Lawrence Ferlinghetti: “Poetas, saiam dos seus armários/abram suas janelas, abram suas portas/Vocês já hibernaram tempo demais em seus mundinhos fechados” etc.

O número está brilhante. Mas também, pah!, os caras são do Maranhão. Ou você não sabia que foi lá que a poesia brasileira foi inventada?

Revista Pitomba

Revista Pitomba

Uma das grandes alegrias de 2011 foi receber das mãos do meu amigo Reuben da Cunha Rocha um exemplar da revista Pitomba, produzida na cidade de São Luís, com o seguinte editorial ocupando as duas primeiras páginas:

Quer fazer, faz.

Organizada e editada pelo próprio Reuben e dois outros maranhenses da porra, o Bruno Azevedo e o Celso Borges, com textos e traduções deles mesmos e de outros de lá, a revista traz também poemas de Gregory Corso, Allen Ginsberg, Thurston Moore, alguma sátira e divertidas ilustrações. Tudo numa edição simples, barata e bem feita. Uma festa.

Lançamento: Silas de Sérgio Fantini

Dia 10 de maio, terça-feira,
às 19 horas.
Restaurante Casa dos Contos
Rua Rio Grande do Norte, 1065, Funcionários
Belo Horizonte – MG

O livro reúne a novela “Diz Xis”, lançada originalmente há 20 anos (e relançada em 2000, pela editora Dubolso, no volume “Materiaes”), e quatro contos onde está presente o mesmo personagem que dá nome à coletânea. Desses quatro, dois foram publicados em 1986, na antologia “Contos Jovens”, da editora Brasiliense; um está no livro “A ponto de explodir” (2008) e o outro é inédito. Com posfácio de Francisco de Morais Mendes e texto de quarta capa de Sebastião Nunes.

Londrix 2010

Começa na próxima terça-feira, dia 21 de setembro o Londrix 2010 – Festival Literário de Londrina. Seis dias de intensa programação. Poetas, escritores, música, feira de livros, lançamentos, debates, oficinas, palestras e a presença de muitos  amigos. Quem estiver passando por lá, não devia perder.

Pra saber mais, é no site:
www.festivalliterariodelondrina.com

Novo site da Livraria e Editora Crisálida

livraria e editora crisálida: novo site

Uma editora não é apenas uma empresa que publica livros. Se o propósito é publicar livros voltados para o humano, uma editora precisa ser mais que uma publicadora: é necessário ser um local de debates, de conversas, interlocuções e formação. Local de fervuras.

Quem me conhece sabe o quanto devo à Crisálida, enquanto formadora, do bom que tenho em mim hoje em dia. Oséias Silas Ferraz foi quem primeiro me abriu as portas para o mundo editorial, publicando pela primeira vez uma tradução minha (a saber: O doente imaginário de Molière, em 2002) e que depois me convidou para publicar Canções da Inocência e da Experiência, traduções que me ensinaram mais do que todas as disciplinas de literatura na UFMG.

É com essa alegria e essa gratidão que dou aqui a notícia do seu novo site. É um espaço dinâmico, onde o leitor poderá obter obras tanto do acervo da livraria (que trabalha com novos e usados) quanto da editora. É claro que visitar o site nem se compara com o prazer de pisar lá na sobreloja do Edifício Maletta, bater um papo com os livreiros, encontrar as obras que você tanto queria ver guardadinhas lá na estante sem nenhuma virtualidade. Mas não é todo mundo que pode. Então o negócio é aproveitar e clicar aí:

www.crisalida.com.br

Nova Lei Rouanet

Notícia boa: a nova Lei Rouanet agora terá fundos para artes cênicas e literatura.

Desde o início do ano, a reforma da Lei Federal de Incentivo à Cultura tem sido discutida por todos os setores da produção cultural no Brasil. Agora, ao que parece, chegará ao congresso um projeto bastante incrementado. Isso é ótimo, porque parece que pela primeira vez, os setores foram consultados. Velhas reivindicações foram atendidas. Dentre as muitas mudanças, registro a criação do Fundo da Literatura e das Humanidades (uma excelente novidade, já que antes as políticas de estímulo à literatura estavam acopladas ao mercado editorial). Ponto para o Movimento Literatura Urgente.

Um texto bem informativo sobre o assunto foi escrito por Jotabê Medeiros no Estado de S. Paulo de ontem, 19/08/2009, e pode ser lido no site do MinC. Olha o link:

Nova Lei Rouanet terá fundos para as Artes cênicas e Literatura