Arquivo da tag: voz

Um poema de Ana Pérez Cañamares

CAPITALISMO

O homem seboso e engravatado aparece em nossa cama todas as noites
depois de foder com o universo vem e nos sussurra cantigas de ninar
sua obsessão por nós não descansa nunca
em nossos sonhos nos persegue
fantasiado de cachorro, de vendedor, de padre
de espiga de trigo, de revólver no bolso
fantasiado de morte, fantasiado de vida

sei que ele gosta de você com olheiras
tem tesão em me ver cansada
gosta de mim magrinha embora me tente com guloseimas
e de você elegante embora machuque seus ossos

me impele a me embebedar mas não por diversão
e sim para esquecer
que minhas horas de ócio acabam sempre no negativo

quando estamos a ponto de adoecer por esgotamento
nos premia com umas férias
e nos estende as passagens como o caçador
lança um osso ao galgo que enforcará no dia seguinte

me instiga a desejar coisas que não necessito
embora ele nunca tenha para mim um presente

diz que meus inimigos são aqueles
que querem o mesmo que eu
porque não há o suficiente
nunca tem o suficiente para todos

e nos cobra pelo que não é de ninguém
pela água da chuva
pelo sol e pela areia
pelas clareiras nos bosques
e pelos mananciais

sequestra meu amor dez horas por dia
e o devolve cada dia mais velho

com seus braços lascivos abraça minha filha
e eu grito foge!
─ vi os primeiros sinais de rendição
em seu rosto inocente ─
mas não sei mostrar a ela a porta de saída

e mais do que com a minha felicidade, ele se preocupa
em flagrar em meu rosto um rastro de consolo
que me permita chegar até a próxima trégua

todo dia me bota um café na boca
para aguentar, e logo um comprimido
para acalmar meus nervos para que eu descanse e durma
enquanto ele continua fazendo o que bem quer

(às vezes se deita em cima de mim e eu com os olhos abertos
olho para o teto, e se ele nota me diz
que já é hora de pintá-lo)

envenena a comida com o que me alimenta
me proíbe de fumar enquanto aumenta minha ansiedade
e me tira as chupetas que poderiam me consolar

provoca meu pranto
e depois me obriga a maquiar os sinais da tristeza

se fico rebelde, ri paternalista
conta que ele também passou por essa época
e minha rebeldia ele rebaixa a moda
que fica de camiseta aos sábados pela manhã
quando sai para comprar jornal e croissants

me dá detalhes de cada assassinato, de todas as guerras
dos estupros e dos golpes de estado

mas tanta informação me deixa surda e já não ouço
os barulhos nem os choros em voz baixa
os sinais do desmoronamento

e ele cala que cada morto, cada ferido
as mulheres estupradas e os que sofrem torturas
todos receberam sua visita antes de se transformar no que são agora

se safa das culpas com promessas
mas eu sei que uma palavra dele
bastará para nos condenar

e se desaparece é para espiar a salvo e oculto
nos bares, nos hotéis, nos banheiros, nas celas

tenho que lhe agradecer porque
você é uma mulher moderna!, grita entusiasmado
dessas que falam inglês, trabalham em casa e no escritório
vão pra academia e aparentam menos idade do que diz o RG
você tem noções de pedagogia embora só olhe seus filhos

e além disso foi abençoada com uma vocação
para poder se sentir melhor do que as outras
(e eu calo que eu não quero ser artista
se isso me fizer diferente
porque já me sinto sozinha o bastante
e não quero competir em mais carreiras)

se mostro fraqueza, fale baixo, todos vão querer se aproveitar
(como se ele deixasse algo para os outros)
melhor ainda se demonstrar arrogância
(com todos menos com ele)

de tudo me fala mas não de quem recolherá os restos do naufrágio
nem em que lugar nos reuniremos, os náufragos, para nos organizarmos
para fazer um fogo, dividir a comida e espantar o frio

embora antes seja preciso reunir forças
para não abandonar a todos nos seus cantos

Um dia, não sei quando, vou lhe cobrar
seus cadáveres, as humilhações
o sequestro da inocência
o espólio dos sonhos

eu vou cobrar, não sei quando

e a primeira punhalada que vou lhe dar
será pelas carícias que não nos demos
pelas trepadas que não demos
você e eu
cada vez que aparece em nossa cama
e nos diz que amanhã, amanhã, amanhã
amanhã o despertador soará às 6h30

e vinte minutos mais de sono
nos farão melhores soldados a seu serviço

Te juro, meu amor. Uma punhalada
por cada trepada que nos roubou
e quanto ao resto, pelos presos, pelos indigentes
pelos que deixam para trás casa e família
pela dor que não merecemos sofrer nem ver
pelos campos arrasados
pelos bichos maltratados
pelas crianças que trabalham
pelos olhos que se fecham pelo cansaço e pela morte
pelo tempo que não voltará
pela vida que nos roubaram
pela vida
meu amor
pela vida

(Tradução de Leo Gonçalves)
Copyright © 2013. Ana Pérez Cañamares
Todos los derechos reservados. All rights reserved

Leia o original em: https://poesiaindignada.com/2013/06/30/capitalismo/

Nascida em 1968, publicou os livros La almbrada de mi boca e Alfabeto de cicatrizes, assim como o livro de relatos En días idénticos a nubes. Desde 2006, administra el blog El alma disponible.

Poesia no Vale do Esteron – Aiglun

Leo Gonçalves - Patrick Quillier - Georges de Riva

Nos dias 06 e 07 de agosto, participei de duas atividades no vilarejo de Aiglun, na região dos pré-Alpes, próximo à cidade de Nice. Na primeira soirée, eu e o meu amigo Patrick Quillier, falamos poemas do livro Use o assento para flutuar em versão bilingue, inaugurando assim as recém-feitas, incrivelmente bem feitas, traduções dos meus poemas para o francês, pelas hábeis mãos do Patrick. A noite se completou com uma pequena apresentação musical de Elizabeth Woolley.

Na segunda soirée, realizamos um animado debate entre Leo Gonçalves e Georges de Rivas, mediado e traduzido por Patrick. Falamos de nossas diferentes visões sobre a poesia, de onde ela nos alimenta, nossas inquietudes.

Os eventos aconteceram na capela de Sainte Marie de la Source. Capela de belo nome, para a qual não deixei de saudar com meu poema “Caiaia”.

Dois programas para la Ciudad de México

12671735_987405248009290_8502019676400175075_o

Nesta semana, participo de dois eventos na Ciudad de México. O primeiro deles acontece na quinta-feira, dia 31/03 a partir das 20h na Pulquería. Vários poetas farão uma homenagem a Ramsés Salanueva, com performances e leituras de poemas.

Participantes: Orquídea Dolores Reyes, Marielle Roman Tik, Sergio Alarcon Beltran, Daniel Olivares Viniegra, Leo Gonçalves, Armando Alanís, Alonso Díaz de Anda, Andrés Cisneros de La Cruz, Bárbara Oaxaca, Fernando Reyes Trinid, Gabriela Jimenez, Adriana Tafoya, Irma Leticia Quiroz, Jesús Garrido
Jonathan Goroztieta, Juan Carlos Valdovinos, Editorial Fridaura, Jorge Contreras, Marytere Caracas Estrada, Rovictor Oviedo, Yuri Zambrano Giaçin Tokkánul, David Cano, Lorenzo Cisneros Hernández Topete (Cuba), Beto Tafoya, Jorge Cano.

*

Em seguida, na sexta-feira, dia 01 /04 a partir das 18h, participo do evento Clavería 22 – 1 ano. Eu e os poetas Fernando Reyes, Pedro Carpintero e Mario Belafonte faremos leituras  de poesia e minificções.

Neste segundo evento, lançaremos uma pequena publicação com poemas meus traduzidos por Fernando Reyes e projeto gráfico de Andrés Cisneros (que também assina o cartaz acima).

*
Programa:
Homenaje a Ramsés Salanueva
Quinta-feira, dia 31/03 a partir das 20h
Local: Pulquería (Avenida Insurgentes, 226 – Colonia Roma – Ciudad de México)

Clavería 22
Sexta-feira, dia 01/04 a partir das 18h
Local: Clavería 22 (Avenida Clavería, 22 – Colonia Clavería, Del. Azcapotzalco. Ciudad de México)

Poemas para ouvir

Há algum tempo que planejava inserir coisas novas na página do soundcloud do Salamalandro. Hoje, repassando alguns poemas, decidi colocar alguns online. São gravações bem caseiras e descompromissadas, mas que já dão para começar uma conversa, para ferir uns ouvidos, para fazer girar a roda do poema. Os textos escolhidos foram publicados originalmente em “Use o assento para flutuar” (2012), mas incluí também a tradução “Language of Aruanda” na voz do tradutor Dan Hanrahan e o registro de “Canto para Matamba”, realizado em novembro de 2011 na Casa das Rosas (SP). Espero que vocês se divirtam com os poemas como eu me divirto ao falá-los.

 

 

Let’s howl!

12549028_1548518012136162_1897262088710914172_n

Com uma atmosfera intimista, o evento traz os escritores Leo Gonçalves,Joaquim Bührer e o guitarrista e compositor Robsongs, que irão conduzir a noite de quarta-feira, inspirados na poesia e na arte da cultura Beatnik.

Iniciando os trabalhos deste 2016 que promete ser árduo, participo nesta quarta-feira, dia 13 de janeiro, do sarau Let’s howl, organizado pela Lua Palasadany e pelo Guilherme Ziggy. Quero aproveitar para saudar os poetas Amiri Baraka (aproveitando a onda beat do evento) e Juan Gelman, que faleceram há dois anos em datas próximas.

Quando: 13 de janeiro (quarta-feira) – 20h00
Onde: Kabul Bar – Rua Pedro Taques, 124 – Consolação

Ingressos:
R$15:00 Sem nome na lista
RS 10:00 Com nome na lista ou confirmação no evento.

MULHER VIP até às 22h00

Jornada dupla no Sesc Ribeirão Preto

1

Estarei nos próximos 4 dias em Ribeirão Preto para uma jornada dupla. Primeiro, uma oficina. Depois a performance: Em caso de incêndio queime lentamente.

Poesia. Objeto lúdico.
De 27 a 29 de outubro, no Sesc Ribeirão Preto, sempre às 19h, ministro a oficina “poesia. objeto lúdico.” Projeto que venho inventando desde longa data, o propósito é descobrir a poesia como uma prática experimental. Embora não exista uma didática específica para a criação poética, penso numa oficina como um espaço de trocas, de descobertas. Será esta a nossa brincadeira. Traga seu fogo.

Para mais informações: http://www.sescsp.org.br/programacao/74477_POESIA+OBJETO+LUDICO

Em caso de incêndio queime lentamente
Esta performance que inaugurei em 2013, traz poemas de Use o assento para flutuar. Gosto de estar em cena, e terei o prazer de estar diante da admirada plateia de Ribeirão Preto.

Para saber mais sobre a performance, é aqui: http://www.salamalandro.redezero.org/performance/em-caso-de-incendio-queime-lentamente/
Para se informar sobre a apresentação, o link do Sesc é: http://www.sescsp.org.br/programacao/74481_EM+CASO+DE+INCENDIO+QUEIME+LENTAMENTE

Dan Hanrahan e a Língua de Aruanda

Photo: Pablo Urbiztondo
Photo: Pablo Urbiztondo

Conto aqui uma experiência que há muito sinto falta de relatar.

No final de 2013, às voltas com certo projeto, pedi ao meu amigo Dan Hanrahan um favor/desafio, desses que não se faz a qualquer hora nem a qualquer um: que traduzisse alguns poemas meus. Para minha sorte, ele topou. Mas a tarefa, embora não impossível, não era tão fácil. Isso porque os poemas que enviei estavam carregados de jogos de palavras, especificidades da cultura brasileira e, por vezes, palavras de origem africana que tinham grande importância na composição do poema.

Este que foi o começo de um grande diálogo que ainda está em movimento, foi para mim um grande presente. Isso porque Dan logo compreendeu o ritmo daqueles poemas, seus aspectos míticos e ritualísticos, dançou junto comigo, me contou histórias de experiências suas com as tradições negro-atlânticas (voodoo haitiano e arredores) e não só fez um trabalho impecável como também gravou para mim cada poema para que eu conhecesse a sua sonoridade, me presenteando com algo que ambos valorizamos: o registro oral como obra única e com semiótica própria.

Ao final, ele traduziu: “Ofó para o ventre dela [Ofo for her belly]”, “Mutacalambo” e “Língua de Aruanda [Language of Aruanda]”. Para deixar um gostinho da experiência, incluo aqui o poema em inglês (esta tradução já foi publicada na Revista Babelsprech num artigo interessantíssimo de Ricardo Domeneck sobre a poesia brasileira) e sua vocalização. Os demais, guardo para um momento mais provocativo.

Language of Aruanda

my grandmother who was the daughter of a daughter
my grandmother who was the grandma of a grandma
stuttered and sang as a young girl
a song lost in the farthest away
a song that I myself still sing by heart
not knowing what it means
unsure if I sing it right
I know that when I sing
my body hums
my blood flows
and there isn’t an evil eye that survives
this ancient song
that my ancestors carved in the echo
of my grandparents’ voices

*
Dan Hanrahan é poeta, tradutor, compositor, violonista, cantor, performer, dentre uma grande multiplicidade de vidas que encarna na sua forma de estar no mundo. Nascido em Chicago, vive em Baltimore. Crítico ferrenho da falida civilização ocidental, Dan escreve no blogue www.danhanrahan.blogspot.com.br. Acaba de lançar o disco “Three waves”, sobre o qual espero ainda falar por aqui.

Discutindo a Relação

Programa Discutindo a Relação

Hoje, sexta-feira, dia 15 de maio, a partir das 21 horas, participo do programa Discutindo a Relação, comandado pelo Marcello Sahea e a Mariana Collares. O assunto do dia é ‘A crise da masculinidade: a construção de um “novo masculino” está na feminização ou na desconstrução do homem’. Para acessar o papo, entre no site da Rádio Elétrica:

www.radioeletrica.com.br