um poema de joão cabral

o baobá como cemitério

pelo inteiro senegal,
o túmulo dos griots,
misto de poeta, lacaio
e alugado historiador,
se cava no troco obeso
de um baobá do arredor:
ele é a só urna capaz,
com seu maternal langor,
de adoçar o hálito ruim
todo o vinagre e amargor
que, debaixo da lisonja,
tem a saliva do cantor.

(João Cabral de Melo Neto em Agrestes )

3 comentários sobre “um poema de joão cabral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *